Crime Pelo Avesso, O Código: 1077039

  • Alessandra Teixeira
ALAMEDA CASA EDITORIAL
FracoRegularBomÓtimoExcelente Sem avaliação
à vista no boleto bancário

Este produto será entregue por um de nossos parceiros

Produto Sob Encomenda: Este produto não está disponível para entrega imediata e será encomendado junto à editora. Previsão de postagem em até 15 dias úteis + tempo de transporte (conforme frete escolhido), após a confirmação do pagamento.
Avalie o produto:
Excelente

Características do Produto

Autor(es)
  • Alessandra Teixeira
ISBN9788579393785
Numero de Páginas336
Numero de Edição1
Ano de Edição2016
EditoraALAMEDA CASA EDITORIAL
Ano de Publicação2016
EncadernaçãoBrochura
OrigemNacional

Sinopse

Partindo da conhecida advertência de Foucault de que “a lei não é feita para impedir este ou aquele tipo de comportamento, mas para diferenciar as maneiras de tornear a própria lei”, a autora se põe o desafio de pensar as trajetórias de algumas dessa s tecnologias num país em que o jogo de cabra-cega entre o legal e o ilegal, o drible sistemático da norma e o código do sertão são traços constitutivos da sociabilidade – o que faz toda a diferença. Assim sendo, se é certo que é de gestão diferencia l de ilegalismos que se trata – com a apresentação rigorosa dos principais contornos dessa equívoca categoria analítica – a autora faz ver como as formas que essa gestão assume e os modos como ela se relaciona com a produção da delinquência correm po r trilhos específicos no Brasil. Afinal de contas, não parece nada trivial a) que o principal instrumento dessa gestão, durante quase 200 anos, tenham sido as “prisões correcionais” – e suas figuras, como as “prisões para averiguação” b) que o termo “correção” tenha adquirido um sentido retórico próprio e negativo entre nós em plena voga internacional do correcionalismo, sobretudo a partir dos anos 30, permitindo adensar e muito a noção de disciplina c) e, por último, que a inexatidão do fluxo crime-prisão-inquérito-processo-pena indique a existência de uma espécie de fast-track no circuito nacional da produção da delinquência. Um dos pontos altos deste livro parece estar justamente no andamento cruzado da reflexão que busca articular o pr olongamento histórico do primado da justiça privada à percepção de que não se trata da “simples permanência de estruturas arcaicas”, mas, antes, de uma autêntica “reinvenção”. Laurindo Dias Minhoto Professor do Departamento de Sociologia da Universid ade de São Paulo
Minha Conta