Entre a Beleza do Morto e a Cultura Viva: Mediadores Culturais na São Paulo do Início do Milênio Código: 742617

  • Maria Celeste Mira
INTERMEIOS
FracoRegularBomÓtimoExcelente Sem avaliação
à vista no boleto bancário

Este produto será entregue por um de nossos parceiros

Produto Sob Encomenda: Este produto não está disponível para entrega imediata e será encomendado junto à editora. Previsão de postagem em até 7 dias úteis + tempo de transporte (conforme frete escolhido), após a confirmação do pagamento.
Avalie o produto:
Excelente

Características do Produto

Autor(es)
  • Maria Celeste Mira
ISBN9788584990634
Numero de Páginas282
Numero de Edição1
Ano de Edição2016
EditoraINTERMEIOS
Ano de Publicação2016
EncadernaçãoBrochura
OrigemNacional

Sinopse

"Consideradas em vias de extinção, a(s) cul¬turas(s) popular(es) ressurgiram com for¬ça total no cenário da globalização. Um pouco por toda a parte do mundo assiste-se à sua transformação em novo conjunto de possibilida¬des estéticas, culturais, econ ômicas, políticas. Ao contrário do que se pode imaginar, o fenômeno não é espontâneo. Há uma série de agentes so¬ciais envolvidos na sua reativação: produtores culturais ligados ao mercado, gestores de cultura vinculados ao Estado, as ONGs e seus pro jetos so¬ciais, grupos informais em busca de novas expe¬riências, os próprios artistas populares empenha-dos na reconstrução de sua identidade e – por que nos excluirmos? – os acadêmicos e seus interesses de pesquisa. Este livro apresenta os resultad os da pesquisa etnográfica realizada pela autora entre 2003 e 2013, na cidade de São Paulo e algumas do interior do estado, junto a essa camada de media¬dores simbólicos que interpreta as tradições, fa¬zendo a ponte entre os grupos populares e o Esta ¬do ou o mercado. A oscilação entre velhos e novos paradigmas os coloca entre a “beleza do morto”, na expressão de Michel de Certeau, e a “cultura viva”, aclamada política cultural do governo do presidente Lula. "
Minha Conta