Delimitação Judicial do Direito À Saúde: Um Exército de Aplicação do Modelo de Direitos Fundamentais de Robert Alexy Código: 731447

  • João Paulo de Souza Carneiro
LUMEN JURIS
FracoRegularBomÓtimoExcelente Sem avaliação
à vista no boleto bancário

Este produto será entregue por um de nossos parceiros

Produto Sob Encomenda: Este produto não está disponível para entrega imediata e será encomendado junto à editora. Previsão de postagem em até 7 dias úteis + tempo de transporte (conforme frete escolhido), após a confirmação do pagamento.
Avalie o produto:
Excelente

Características do Produto

Autor(es)
  • João Paulo de Souza Carneiro
ISBN9788584404926
Numero de Páginas272
Numero de Edição1
Ano de Edição2016
EditoraLUMEN JURIS
Ano de Publicação2016
EncadernaçãoBrochura
OrigemNacional

Sinopse

Nos últimos tempos, tornaram-se corriqueiras notícias de decisões judiciais determinando o fornecimento de medicamentos e a realização de cirurgias. As decisões de maior repercussão são aquelas que obrigam o Estado a custear tratamentos de saúde de e levado valor, inclusive no exterior. Tem-se a impressão de que está se firmando um consenso segundo o qual “a saúde não tem preço”, de forma que o “direito à saúde” previsto na Constituição abarcaria o direito de exigir toda e qualquer terapia do Est ado, competindo ao Poder Judiciário o papel de guardião e garantidor desse direito. Em um primeiro momento, a ideia de que o direito à saúde tem abrangência tendencialmente ilimitada e de que o Poder Judiciário tem o papel de assegurar sua efetivação parece algo benéfico: aos cidadãos seria franqueado amplo acesso a serviços de saúde, sob a proteção de juízes comprometidos com o respeito à Constituição. Contudo, em um segundo momento, essa ideia suscita alguns questionamentos: o Estado dispõe de recursos financeiros para custear todo e qualquer tratamento de saúde? Uma decisão judicial que garante o fornecimento de um medicamento para um determinado demandante não retira recursos que seriam destinados à coletividade? Para buscar uma solução para os problemas identificados por esses questionamentos, optou-se, neste estudo, pela aplicação do modelo de direitos fundamentais de Robert Alexy, autor sempre citado no debate jurídico nacional e tido como uma das grandes referências no tema dos direitos fundamentais. Note-se - e este pretende ser o diferencial do trabalho - que aqui se busca a aplicação rigorosa do modelo proposto por Robert Alexy, e não a mera menção ou alusão a algumas das teses defendidas por esse autor como recurso mer amente retórico para justificar posicionamentos arbitrários.
Minha Conta