Internacionalização da Constituição: Dialogo Hermenêutico, Perguntas Adequadas e Bloco de Constitucionalidade Código: 740304

  • Rafael Fonseca Ferreira
LUMEN JURIS
FracoRegularBomÓtimoExcelente Sem avaliação
à vista no boleto bancário

Este produto será entregue por um de nossos parceiros

Produto Sob Encomenda: Este produto não está disponível para entrega imediata e será encomendado junto à editora. Previsão de postagem em até 7 dias úteis + tempo de transporte (conforme frete escolhido), após a confirmação do pagamento.
Avalie o produto:
Excelente

Características do Produto

Autor(es)
  • Rafael Fonseca Ferreira
ISBN9788584406654
Numero de Páginas368
Numero de Edição1
Ano de Edição2016
EditoraLUMEN JURIS
Ano de Publicação2016
EncadernaçãoBrochura
OrigemNacional

Sinopse

O Direito no Brasil sofre de um déficit hermenêutico e constitucional que atravessa desde a academia até a prestação jurisdicional, inclusive, a própria jurisdição constitucional. O imaginário jurídico dominante é refém de um modelo de conhecimento p ositivista baseado em teorias ultrapassadas, recepções equivocadas, metodologias antiquadas, do modo pragmático de ensino - concurseiro, ancorado em doutrinas de baixa densidade teórica, resumos e repetição de verbetes e ementários jurisprudenciais. Na tentativa de se apresentar uma racionalidade alternativa e conteudística, a defesa do diálogo (hermenêutico) mobilizará um novo modo de compreensão capaz de dar conta da complexidade do fenômeno jurídico e da realidade social visando, em particula r, a desconstrução da lógica hierárquica dispensada ao direito internacional dos direitos humanos e a abertura controlada de uma interface internacional da Constituição. A proposta terá por objetivo iluminar novas expectativas de sentido, para além d as concepções orientadas pelo modelo hierárquico-normativista, que sujeita a sociedade à insegurança jurídica, à ausência de transparência, ao abuso de poder e ao desrespeito com os direitos humanos. A tarefa crítica trazida nesta obra se coloca como pergunta pelas possibilidades de revolvimento do chão linguístico sob o qual se assentam esses discursos quando lidam com os compromissos internacionais de direitos humanos. O diálogo, movido pela pergunta adequada, caminha no sentido de recuperar o papel normativo dos direitos humanos (e seus instrumentos) no/para o constitucionalismo contemporâneo, recompondo a paisagem epistêmica da compreensão de bloco de constitucionalidade como parâmetro hermenêutico e do processo de internacionalização d a Constituição.
Minha Conta