Festa Ou Solenidade?: Conciliação e Mediação Como Caminhos de Acesso À Justa Justiça Código: 746238

  • Carmen Lúcia Lemos de Freitas
PRISMAS
FracoRegularBomÓtimoExcelente Sem avaliação
à vista no boleto bancário

Este produto será entregue por um de nossos parceiros

Produto Sob Encomenda: Este produto não está disponível para entrega imediata e será encomendado junto à editora. Previsão de postagem em até 25 dias úteis + tempo de transporte (conforme frete escolhido), após a confirmação do pagamento.
Avalie o produto:
Excelente

Características do Produto

Autor(es)
  • Carmen Lúcia Lemos de Freitas
ISBN9788555074127
Numero de Páginas322
Numero de Edição1
Ano de Edição2016
EditoraPRISMAS
Ano de Publicação2016
EncadernaçãoBrochura
OrigemNacional

Sinopse

"Será um evento acolhedor, dialógico e criativo, onde todos se preocupam com o regozijo de todos? Ou um evento formal, impositivo e eficientista, no qual a construção do consenso tem por base a contenção do interesse do outro? O direito tem a prerro gativa de trazer a justiça? O conflito é considerado algo negativo? É possível a criação de um novo paradigma de justiça na sociedade? Seriam as universidades capazes de propiciar mudanças no cenário jurídico-cultural do século XXI? Estas e outras t antas perguntas embasam o tema de discussão desta obra, na qual, por meio de metáforas, os sujeitos atores de pesquisa transitam por papéis ambíguos de adesão e resistência ao Cejusc (Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania). Festa ou solenidade? Um ato coletivo evento onde magistrados, anfitriões/donos da casa, possuem prerrogativas, mas também compromissos para seu bom andamento procuradores de justiça, convidados/convocados, percebem a ideia do evento como interessante, mas t êm em mente que a autocomposição não se aplica ao direito público e conciliadores/mediadores, os que abraçaram a causa, descortinam os bastidores de uma causa que não os abraçou. Com uma linguagem fluída, de forma objetiva e didática, esta obra abo rda um tema de grande relevância no cenário jurídico nacional, principalmente com a entrada em vigor do NCPC (Novo Código de Processo Civil) e da Lei de Mediação, leis que vieram a consolidar a Política Judiciária de Tratamento de Conflitos criada pe la Resolução 125/CNJ. Sua estratégia pauta-se sob o referencial teórico Boaventura de Sousa Santos, contributivo ímpar a enriquecer este trabalho pioneiro e corajoso, que busca, por meio de uma análise crítica e construtiva, envolvendo aspectos jurí dicos e sociológicos, o aprimoramento desta política pública para o Acesso à Justa Justiça."
Minha Conta