Brasil e a Reeducação Presidiária, O: A Lei Que Não Pune e Não Ressocializa Código: 1070963

  • Manoel da Conceicao Silva
CRV
FracoRegularBomÓtimoExcelente Sem avaliação
à vista no boleto bancário

Este produto será entregue por um de nossos parceiros

Produto Sob Encomenda: Este produto não está disponível para entrega imediata e será encomendado junto à editora. Previsão de postagem em até 40 dias úteis + tempo de transporte (conforme frete escolhido), após a confirmação do pagamento.
Avalie o produto:
Excelente

Características do Produto

Autor(es)
  • Manoel da Conceicao Silva
ISBN9788544410929
Numero de Páginas156
Numero de Edição1
Ano de Edição2016
EditoraCRV
Ano de Publicação2016
EncadernaçãoBrochura
OrigemNacional

Sinopse

Um dos grandes fracassos de políticas públicas no Brasil é a reeducação de presos. Quem chega a duas conclusões sobre o mesmo assunto é porque não chegou a nenhuma. Este é o grande entrave da Lei brasileira. Na ânsia de ressocializar acaba ficando a meio caminho, não cumprindo sua função: inibir o crime. Quem é condenado por homicídio (vinte anos) deveria efetivamente cumprir a pena e durante ser ressocializado, não o contrário, pois o infrator tem a certeza de que cumprirá 1/6 da pena (três ano s). Isso penaliza a vítima, que comumente perde 60, 80 anos de sua vida, e beneficia o infrator. Portanto, a Lei não é só branda, mas ineficiente na sua função de punir e inibir o crime e secundariamente em ressocializar, pois, de cada 10 reeducandos 7 retornam ao crime. Para mudar a realidade prisional não basta construir presídios federais, como faz o governo atualmente, mas, também, repensar estes aspectos educacionais de ressocialização, “pois quando tratamos pessoas como animais elas se com portarão como animais”. E é isso que ocorre nos presídios. O sistema de progressão de penas simplesmente empurra os presos para fora das cadeias sem antes reeducá-los ou ressocializá-los. Este escopo pretende tentar responder algumas dúvidas: Por que as cadeias funcionam como faculdades do crime? Por que não devemos reduzir a criminalidade à questão penal? Quais as causas que alimentam o crime? Por que pena de morte não é solução para o sistema? O que mais dificulta a reinserção do reeducando? É possível ressocializar com pressupostos educacionais?
Minha Conta