Duração Razoável da Investigação Criminal: Uma Garantia Fundamental do Investigado Código: 734772

  • Marcelo Alves Nunes
LUMEN JURIS
FracoRegularBomÓtimoExcelente Sem avaliação
à vista no boleto bancário

Este produto será entregue por um de nossos parceiros

Produto Sob Encomenda: Este produto não está disponível para entrega imediata e será encomendado junto à editora. Previsão de postagem em até 7 dias úteis + tempo de transporte (conforme frete escolhido), após a confirmação do pagamento.
Avalie o produto:
Excelente

Características do Produto

Autor(es)
  • Marcelo Alves Nunes
ISBN9788584405725
Numero de Páginas192
Numero de Edição1
Ano de Edição2016
EditoraLUMEN JURIS
Ano de Publicação2016
EncadernaçãoBrochura
OrigemNacional

Sinopse

A Reforma do Poder Judiciário, realizada pela EC n. 45/04, introduziu a "duração razoável do processo" como direito e garantia individual erigida à categoria de cláusula pétrea (CF, art. 5º, inc. LXXVIII). No campo da hermenêutica constitucional, a o bra propõe ampliar o alcance desse postulado, de nítido viés garantista, de sorte a recuá-lo até o momento pré-processual da persecutio criminis, estando ou não preso o indiciado, em consonância com as bases retóricas de um processo penal mais humano , justo e ético. Não é recomendável que a investigação criminal, enquanto expressão concreta da força coercitiva do Estado, permaneça imune à modulação temporal, vez que a morosidade dos trabalhos de Polícia Judiciária é capaz de acentuar sensivelmen te o sentimento de angústia e estigmatizar a pessoa do investigado, numa odiosa negação de caros valores inerentes à pessoa humana. Logo, a delimitação normativa do prazo da investigação criminal representa a afirmação de um direito subjetivo contra os frequentes abusos do Estado-polícia, ante o descontrole temporal de muitos atos que a enredam, sobretudo quando não há indiciado preso. Desse modo, pretende a obra convidar o prezado leitor para essa interessante reflexão jurídica acerca do aprimo ramento do sistema de Justiça Criminal, de que a Polícia Judiciária é parte integrante, a partir da concepção dogmática de que o inquérito policial, nesta quadra histórica em que vivemos, não mais pode ser compreendido senão através da opção garantis ta do nosso Estado democrático e constitucional de direito.
Minha Conta