Santa Inquisição nas Minas, A: Heterodoxias, Blasfêmias, Desacatos e Feitiçarias Código: 747359

  • Isabela de Andrade Pena
DPLACIDO
FracoRegularBomÓtimoExcelente Sem avaliação
à vista no boleto bancário

Este produto será entregue por um de nossos parceiros

Produto Sob Encomenda: Este produto não está disponível para entrega imediata e será encomendado junto à editora. Previsão de postagem em até 30 dias úteis + tempo de transporte (conforme frete escolhido), após a confirmação do pagamento.
Avalie o produto:
Excelente

Características do Produto

Autor(es)
  • Isabela de Andrade Pena
ISBN9788584254255
Numero de Páginas296
Numero de Edição1
Ano de Edição2016
EditoraDPLACIDO
Ano de Publicação2016
EncadernaçãoBrochura
OrigemNacional

Sinopse

Mestrado em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais (2015). Presidenta da Comissão de História do Direito da OAB/MG, triênio 2013/2015. Assessora Jurídica Popular, atuando em con flitos de Direitos Humanos.Professora no curso de Direito naF aculdade Promove de Belo Horizonte. O livro analisa os Cadernos do Promotor e algumas das denúncias nele consignadas – heterodoxias, blasfêmias, desacatos e feitiçarias – com a finalidade de compreender a dinâmica da atividade inquisitorial na Minas setecentista durante o Episcopado de Dom Frei Manuel da Cruz em Mariana/MG (1745-1764). Os Cadernos do Promotor revelam as tensões e os interesses contrapostos no cotidiano de um cenário marcado por variados atores e grupos. O Bispado de Mariana pel o olhar de D. Frei Manuel da Cruz e as formas de ação do Tribunal são os os condutores, instrumentalizando a percepção sobre como a população colonial interagia com os agentes e procedimentos da Santa Inquisição. Esse mergulho no mundo da Inquisiçã o faz-se pela visita a trabalhos historiográ ficos sobre a temática, ao Regimento do Santo Ofício de 1640, à correspondência de Dom Frei Manoel da Cruz com os representantes da Coroa e da Igreja. Os Cadernos do Promotor e as cartas estão na antessala dos processos de constituição de fenômenos jurídicos. Sua invisibilidade é sintoma da di ficuldade que há em adentrar na delicada sombra que simbolicamente intervém nos modos da criminalização de comportamentos e na perseguição pelas instituições re sponsáveis por fazer regras, por julgar e por punir.
Minha Conta