Subjetivação e Processos de Identificação: Sujeitos e Línguas em Práticas Discursivas - Inflexões no Ensino Código: 736860

  • Maria Onice Payer
PONTES
FracoRegularBomÓtimoExcelente Sem avaliação
à vista no boleto bancário

Este produto será entregue por um de nossos parceiros

Produto Sob Encomenda: Este produto não está disponível para entrega imediata e será encomendado junto à editora. Previsão de postagem em até 10 dias úteis + tempo de transporte (conforme frete escolhido), após a confirmação do pagamento.
Avalie o produto:
Excelente

Características do Produto

Autor(es)
  • Maria Onice Payer
ISBN9788571137363
Numero de Páginas270
Numero de Edição1
Ano de Edição2016
EditoraPONTES
Ano de Publicação2016
EncadernaçãoBrochura
OrigemNacional

Sinopse

Maria Onice Payer e María Teresa Celada permitem instalar no debate acadêmico uma relação com o ensino de línguas que não seja da ordem didática, mas sim, diferença estruturante, da ordem do político e do simbólico, o que afeta, de modo consistente e consequente, o discurso pedagógico. Ao organizarem o presente livro, reunindo análises sensíveis à produção dos sentidos que levam sempre em consideração o lugar do sujeito nesse processo, promovem a oportunidade de o leitor circular por trajetos qu e não desconsideram, em hipótese alguma, que estar em uma língua, em outra língua, entre línguas, no entremeio, significa, necessariamente, modos de subjetivação e de identificação do sujeito que enuncia. Ler, escrever, traduzir, dizer em uma ou outr a língua, entre línguas, no entremeio implica, necessariamente, nos modos de inscrição dos sujeitos que se movimentam entre estas diferentes práticas. Práticas e não técnicas. Diferença epistêmica e, portanto, política, fundamental. É o que aprendemo s fortemente com as organizadoras e os autores que compõem esta belíssima e importante obra. Este livro é de grande interesse para estudiosos da linguagem, professores, graduandos e pós-graduandos das ciências sociais e humanas que procuram, em suas práticas, compreender o funcionamento da linguagem, desnaturalizando nossa relação com a língua/as línguas, procurando, de modo não disjuntivo, olhar para o político, o simbólico e o sujeito em suas práticas de linguagem.
Minha Conta