Lágrimas de Sangue: A Saúde dos Escravos no Brasil da Época de Palmares À Abolição Código: 735290

  • Alisson Eugênio
ALAMEDA CASA EDITORIAL
FracoRegularBomÓtimoExcelente Sem avaliação
à vista no boleto bancário

Este produto será entregue por um de nossos parceiros

Produto Sob Encomenda: Este produto não está disponível para entrega imediata e será encomendado junto à editora. Previsão de postagem em até 15 dias úteis + tempo de transporte (conforme frete escolhido), após a confirmação do pagamento.
Avalie o produto:
Excelente

Características do Produto

Autor(es)
  • Alisson Eugênio
ISBN9788579393693
Numero de Páginas270
Numero de Edição1
Ano de Edição2016
EditoraALAMEDA CASA EDITORIAL
Ano de Publicação2016
EncadernaçãoBrochura
OrigemNacional

Sinopse

Sabe-se que, desde a transformação da escravidão, como forma de organização da produção, em fato social após a guerra contra Palmares, diversos intelectuais apresentaram propostas para reformar a relação entre senhores e escravos com o objetivo de di minuir as tensões sociais. Uma delas, inicialmente sustentada no ideal da caridade cristã e, posteriormente, na segunda metade do século XVIII, no ideal da solidariedade humanitária iluminista, foi a de os proprietários cuidarem melhor da sua escrava ria, melhorando as condições de vida dela e promovendo a sua reprodução natural, para dessa maneira tornar o tráfico de escravos desnecessário. A partir do final do referido século, quando o ideário ilustrado estava consolidado, tal proposta encontro u uma conjuntura favorável para começar a ser praticada, motivada pelo avanço das críticas à escravidão e à sua fonte abastecedora, o tráfico internacional de africanos. Essas críticas, baseadas no direito natural (segundo o qual a liberdade humana é inata), contribuíram, ao municiar os movimentos abolicionistas, para desmantelar as sociedades escravistas do Ocidente ao longo do século XIX, como a do Brasil. Assim, foi nesse contexto histórico que os relatos estudados nesta pesquisa, sobretudo o s dos médicos, acabaram assumindo um tom dramático, como estratégia de persuasão do público, como uma forma de produzir comoção e, desse modo, cooperar para reformar a escravidão em meio ao seu processo gradual de abolição.
Minha Conta