Tendo o Sol Por Testemunha: População Portuguesa na Baía de Paranaguá (c.1750-1830) Código: 742094

  • André Luiz Cavazzani
ALAMEDA CASA EDITORIAL
FracoRegularBomÓtimoExcelente Sem avaliação
à vista no boleto bancário

Este produto será entregue por um de nossos parceiros

Avalie o produto:
Excelente

Características do Produto

Autor(es)
  • André Luiz Cavazzani
ISBN9788579393228
Numero de Páginas391
Numero de Edição1
Ano de Edição2016
EditoraALAMEDA CASA EDITORIAL
Ano de Publicação2016
EncadernaçãoBrochura
OrigemNacional

Sinopse

Alguns historiadores observaram que, na viragem dos setecentos para os oitocentos, alterou-se o caráter das migrações portuguesas através do Atlântico. Não eram mais agricultores que viajavam com a intenção de continuar vivendo desta ocupação, pois c omeçavam a ser superados pela demanda do comércio, atraindo novos atores. O livro de André Cavazzani explora de maneira muito feliz os resultados dessa conjuntura de transição, que marca particularmente a história da imigração lusa no Brasil. Num tra balho primoroso, manejando de maneira incomum a documentação, e com texto agradável, seguem-se os capítulos que tratam de portugueses que se instalaram em Paranaguá, vila portuária no litoral paranaense. Como explicita o autor, os objetivos gerais da pesquisa que resultou neste livro “corresponderam a basicamente a entender como os reinóis radicados em Paranaguá, na virada do século XVIII para o XIX, viveram ou sobreviveram como atuaram, como se relacionaram, num espaço que, mesmo periférico, a brigou uma população que foi em tudo similar à do restante do Brasil – variada em origem, dividida pela escravidão e matizada em cores e hierarquias”. No período, os imigrantes não desmereceram suas origens rurais, investindo em pequenas ou grandes l avouras. Diversos foram (também) pescadores, proprietários ou não de suas embarcações. Alguns foram artesãos, outros desenvolveram atividades ligadas a ocupações que chamaríamos, hoje, de “profissões liberais” – enfim, num colorido heterogêneo de inú meras trajetórias. Camadas diferentes e (ou) complementares, muitas vezes reunidas em “empresas” familiares, em conformidade com as características da sociedade anfitriã, hierárquica e escravista. No contexto dessa diversidade, o trabalho de Cavazzan i destaca os portugueses que se dedicaram aos pequenos e grandes tratos. Exemplarmente, e introduzindo a conclusão, todo um capítulo é dedicado a Antonio Vieira dos Santos, reinol que, como tantos, tornou-se negociante. Entretanto, com uma biografia muito original, também um personagem da historiografia paranaense.
Minha Conta