Torquato Neto e Seus Contemporâneos: Vivências Juvenis, Experimentalismos e Guerrilha Semântica Código: 727094

  • Fábio Leonardo Castelo Branco Brito
PRISMAS
FracoRegularBomÓtimoExcelente Sem avaliação
à vista no boleto bancário

Este produto será entregue por um de nossos parceiros

Produto Sob Encomenda: Este produto não está disponível para entrega imediata e será encomendado junto à editora. Previsão de postagem em até 25 dias úteis + tempo de transporte (conforme frete escolhido), após a confirmação do pagamento.
Avalie o produto:
Excelente

Características do Produto

Autor(es)
  • Fábio Leonardo Castelo Branco Brito
ISBN9788555071836
Numero de Páginas298
Numero de Edição1
Ano de Edição2016
EditoraPRISMAS
Ano de Publicação2016
EncadernaçãoBrochura
OrigemNacional

Sinopse

Na década de 1970, a cidade de Teresina, capital do Piauí, vivenciava a explosão de transformações que deslocavam os sujeitos de seus lugares tradicionais. Dividida entre o provincianismo de uma capital nordestina e a emergência de uma pósmodernidade nascente, era comum que questões de cunho ético, estético e comportamental, bem como as relações de gênero e as artes, vivessem uma turbulência trazida por símbolos como a pílula anticoncepcional, a minissaia, as perambulações hippies, o movimento t ropicalista e os festivais de música. Nesse contexto, um grupo de jovens teresinenses movimentavase entre produções culturais alternativas jornais nanicos, filmes experimentais feitos em super8, dentre outras , que, além de dar a ver suas formas mar ginais de lidarem com o mundo, tomavam um outro jovem como ícone: o poeta e letrista teresinense Torquato Pereira de Araújo Neto. Anjo torto da Tropicália, errante e controverso, Torquato teria, através de suas palavrascilada, supostamente, lançado d icas existenciais tomadas por seus contemporâneos como elementos para uma articulação profunda entre arte e vida. Em que medida, no entanto, existia uma suposta Geração Torquato Neto configurada na capital piauiense? Tomando a expressão famosa de Cae tano Veloso, existimos, a que será que se destina? São essas questões que mobilizam as linhas desse livro, que objetiva percorrer as diversas subjetividades juvenis na cidade, ao mesmo tempo seguindo as pegadas de Torquato e colocando em suspeição a apropriação feita do anjo torto pelos teresinenses de seu tempo e além.
Minha Conta