Tramas da Loucura na Corte Imperial Código: 727203

  • Daniele Corrêa Ribeiro
PRISMAS
FracoRegularBomÓtimoExcelente Sem avaliação
à vista no boleto bancário

Este produto será entregue por um de nossos parceiros

Produto Sob Encomenda: Este produto não está disponível para entrega imediata e será encomendado junto à editora. Previsão de postagem em até 25 dias úteis + tempo de transporte (conforme frete escolhido), após a confirmação do pagamento.
Avalie o produto:
Excelente

Características do Produto

Autor(es)
  • Daniele Corrêa Ribeiro
ISBN9788555070457
Numero de Páginas208
Numero de Edição1
Ano de Edição2016
EditoraPRISMAS
Ano de Publicação2016
EncadernaçãoBrochura
OrigemNacional

Sinopse

O Palácio dos Loucos da Praia Vermelha, ou Hospício de Pedro II, é uma instituição bastante instigante. Não fosse apenas pela sua suntuosidade arquitetônica ou por todas as dúvidas, angústias e incertezas que a loucura ainda nos causa, o primeiro Hos pital para alienados do Brasil foi também palco central de muitos conflitos e alianças que são emblemáticos do processo de consolidação do Império do Brasil. As trajetórias de indivíduos que tiveram suas vidas atravessadas pelo estigma da loucura são neste livro apresentadas como um riquíssimo e complexo objeto para a análise das relações sociais que se delineavam na Corte do Império. Dos elos que ligavam escravos e homens pobres livres a barões e Irmãos da Misericórdia aos que aproximavam famíl ias das mais diversas origens sociais à provedoria da Santa Casa, muitos estão presentes nos capítulos que se seguirão e apontam o papel que as redes de sociabilidade desempenhavam naquele contexto. Além de um breve histórico da Instituição, o trabal ho apresenta dados que nos permitem traçar o perfil daqueles que estiveram internados no Hospício e parte da trajetória de alguns deles. Nos capítulos que se seguem, são apresentadas algumas dessas histórias, onde é possível perceber a complexidade d os processos de internação. Por tudo que aquela instituição representara para a população do Império e pela amplitude que o discurso médicocientífico ganhava na segunda metade do século XIX, o Hospício superava ano a ano sua lotação, o que tornava ai nda mais complexos os requerimentos de entrada. A vinculação do Hospício com a Santa Casa de Misericórdia atribuía ainda novas demandas aquele estabelecimento, que além de científico, conforme o projeto médico, deveria atender aos apelos caritativos. É neste complexo jogo de forças e alianças que tentamos localizar o Hospício de Pedro II e algumas das tramas da loucura nos últimos anos do Império.
Minha Conta