Trilogia Poética: Os Opostos Existenciais - Coleção Prazeres Poéticos Código: 1069644

  • Gûlval Auridan Júnior
CHIADO EDITORA
FracoRegularBomÓtimoExcelente Sem avaliação
à vista no boleto bancário

Este produto será entregue por um de nossos parceiros

Produto Sob Encomenda: Este produto não está disponível para entrega imediata e será encomendado junto à editora. Previsão de postagem em até 45 dias úteis + tempo de transporte (conforme frete escolhido), após a confirmação do pagamento.
Avalie o produto:
Excelente

Características do Produto

Autor(es)
  • Gûlval Auridan Júnior
ISBN9789895148585
Numero de Páginas100
Numero de Edição1
Ano de Edição2016
EditoraCHIADO EDITORA
Ano de Publicação2016
EncadernaçãoBrochura
OrigemImportado

Sinopse

"Permita-se som de chuva, a poltrona confortável, duas xícaras de café e submeter a mais porquês o corpo e o espírito. Assim se apresenta Os opostos existenciais. Ao destemido, cuidado: a poesia aqui germinada confronta três extremos. Em seu prime iro tomo, Lara Utzig e Tiago Quingosta fundem ódio e amor de maneira dinâmica – como são a ira que justifica a paixão e o afago que oferece a raiva. Ao ousarem neologia desde os seus títulos, os dois sádicos travestidos de poetas convidam o leitor a pintar amor de vermelho-cólera e transplantar coração em ódio. Em continuidade à oposição de sentidos, Samila Lages e Odisseu Castro, como alquimistas, provocam o desnudar-se em treva e o obscurecer-se à luz. Em manipulação a esses elementos, o segundo tomo se perfaz pela transmutação do alvo denso ao negro em expansão, da profundidade ao cume, da ilusão ao deslumbre da aurora ao poente. Basta ao cego no lusco-fusco, pois, que se atreva em luz. Por fim, em seu terceiro tomo, Genniffer Moreira e Gûlval Auridan fazem a vezes de artesão para talharem portais no muro-limite entre o ser e o não mais estar. Que tal tachar essencialmente cúmplices a longitude da morte e a brevidade da vida? Eis o que se propõe. Existência e desistênci a à la ouroboros que, por temer sua finitude, põe-se a bailar yin-yang perpétua e ternamente. Em brinde à apoteose de seus sentimentos, ao fim de cada tomo os seis autores aos pares se (des)dobram em um. Unificam suas pluralidades e o resultado de ssa oposição complementar reina sob a forma dos textos “Venda de seda”, “Romã” e “Sorte ou morte”. Seja bem-vindo, leitor. Oponha-se ao simples sobreviver: superexista. Rodrigo Mergulhão Linguista e produtor textual"
Minha Conta